Por que pão é ruim para você: uma verdade surpreendente


Você já deve ter ouvido falar que o pão branco e os grãos refinados não são exatamente os alimentos mais nutritivos para quem busca uma dieta equilibrada. Por isso, os nutricionistas costumam sugerir a substituição desses itens por cereais integrais. Entretanto, há um detalhe: os grãos, principalmente os que contém glúten, como o trigo, estão sendo objeto de muitos estudos nos últimos anos. Agora, vários profissionais de saúde dizem que o pão e outros grãos fontes de glúten são prejudiciais. Mas por que pão é ruim? Como será que ele se tornou o vilão da história?  

Excesso de carboidratos e altos níveis de açúcar no sangue

pao-carboidratos Nem todo sabe, mas o pão integral nem sempre é feito com grãos integrais, que não foram processados. A verdade é que esses grãos são pulverizados em uma farinha muito fina. Embora esse processo preserve os nutrientes, faz com que os produtos possam ser digeridos mais rapidamente. Quando chegam no aparelho digestivo, os amidos presentes no pão são rapidamente quebrados e entram na corrente sanguínea como glicose. O resultado disso? Um rápido aumento nos níveis de açúcar e insulina. E até mesmo o pão de trigo integral aumenta os picos de açúcar no sangue mais rápido do que muitas barras de chocolate. Mas qual é a consequência disso tudo? Bom, quando a quantidade de açúcar no sangue sobre rapidamente, ela cai com a mesma velocidade, e ficamos com fome. Esse cenário é bem conhecido pelas pessoas que fazem dietas ricas em carboidratos: pouco depois de comer, elas sentem fome novamente e fazem outro lanche rico em carboidratos. E não é só isso. Altos níveis de açúcares no sangue podem causar glicação a nível celular quando esses açúcares reagem com as proteínas no corpo, acelerando o envelhecimento. É por isso que estudos sobre dietas com restrição de carboidratos, que eliminam ou reduzem os aminoácidos e açúcares, indicam que pessoas com diabetes ou que precisam perder peso devem evitar todos os grãos.  

O pão contém muito glúten

pao-gluten O trigo é riquíssimo em uma proteína chamada glúten, que é responsável pelas propriedades viscoelásticas da massa. Você provavelmente conhece alguém que tem sensibilidade a essa proteína. Quando ingerimos um pão que contém glúten (trigo, espelta, centeio e cevada), o sistema imunológico em nosso trato digestivo “ataca” as proteínas do glúten. Estudos realizados em indivíduos que não possuíam doença celíaca revelaram que o glúten danifica a parede digestiva, provocando inchaço, dor e cansaço. A sensibilidade ao glúten também foi associada a alguns casos de duas doenças graves do cérebro: esquizofrenia e ataxia cerebelar. No final das contas, descobriu-se que o glúten é provavelmente prejudicial para a maioria das pessoas, independentemente de terem ou não doença celíaca ou sensibilidade ao glúten. Quer saber se você está incluído nesse grupo? Experimente eliminar o glúten da sua alimentação durante 30 dias e, em seguida, reintroduzi-lo.  

O pão contém outras substâncias perigosas

pao-xarope-milho Assim como outros alimentos processados, a maioria dos tipos comerciais de pão contém açúcar ou xarope de milho. O açúcar, por exemplo, pode provocar muitos danos, e comer alimentos processados que contenham essa substância é uma das maneiras mais rápidas de prejudicar sua saúde. Muitos grãos também contém uma substância “anti nutriente” chamada ácido fítico. Trata-se de uma molécula que se “agarra” a minerais essenciais como ferro, zinco e cálcio, impedindo-os de serem absorvidos.  

O pão é pobre em nutrientes essenciais

pao-pobre-nutrientes Sejamos honestos: não existe nenhum nutriente no pão que você não possa obter em outros alimentos em quantidades ainda maiores. Como já comentamos antes, nem mesmo o pao integral é tão nutritivo assim: além de ser pobre em nutrientes em comparação com outros alimentos, ele literalmente diminui a absorção de nutrientes de outros alimentos. Vale lembrar que, ao danificar o revestimento do intestino, o glúten reduz a absorção de nutrientes. Os grãos, por sua vez, não apresentam todos os aminoácidos essenciais; consequentemente, são fontes pobres de proteína. Por fim, a fibra do trigo pode fazer com que o seu corpo queime rapidamente o estoque de vitamina D, contribuindo para sua deficiência, que está associada ao câncer, diabetes e morte.  

O trigo integral é só “menos ruim” do que o trigo refinado

pao-trigo-integral Ninguém duvida que os pães integrais são melhores do que os pães feitos com grãos refinados, já que contêm mais fibras e nutrientes. Apesar disso, eles são apenas o menor de dois males, o que não os torna necessariamente saudáveis. Mas não se preocupe: se você realmente quer ou precisa incluir pão na sua dieta, existem algumas opções mais saudáveis. Uma boa dica é procurar um pão feito com grãos germinados encharcados. Quando é preparado dessa forma, a quantidade de ácido fítico é reduzida. Outra opção é consumir pães sem glúten, que são mais saudáveis do que aqueles preparados com grãos que contêm glúten, como o trigo, espelta, centeio e cevada.   Então, se você precisa perder peso ou tem problemas digestivos, é melhor pensar duas vezes se vale a pena manter o pão na sua dieta. Agora, se você quer aprender mais sobre um alimento realmente saudável, que tal ler sobre a batata-doce? Confira 4 motivos para você comer batata-doce Conheça o programa de exercícios Queima de 48 Horas!

COMPARTILHE

Comentários:
  • Isabel Licussa comentou no dia

    Boa tarde.
    Gostei da dica. Eu estava comendo duas fatias de pão integral no café da manha. Irei substituir sim com a batata doce ou outro cereal.
    Obrigada.

  • Douglas Tybel comentou no dia

    Minha esposa segue o Q48 e emagreceu 8 quilos em 4 semanas, isso foi ótimo, pois logo depois ela engravidou.
    Agora seguimos a risca o programa, mas geralmente, substituir o pão por omelete todas as manhãs tem sido muito difícil.

    Por isso, gostaria de saber das duas opções mais clássicas para substituir o pão, digam se elas são boas ou não.

    Pão de mandioca.
    Tapioca.

    São boas opções ?

    Aguardo retorno.

    Douglas Tybel

Deixe seu comentário